Habilidades BNCC

  • EF04GE01
    Selecionar, em seus lugares de vivência e em suas histórias familiares e/ou da comunidade, elementos de distintas culturas (indígenas, afro-brasileiras, de outras regiões do país, latino-americanas, europeias, asiáticas etc.), valorizando o que é próprio em cada uma delas e sua contribuição para a formação da cultura local, regional e brasileira.
  • EF04HI01
    Reconhecer a história como resultado da ação do ser humano no tempo e no espaço, com base na identificação de mudanças e permanências ao longo do tempo.
  • EF04HI02
    Identificar mudanças e permanências ao longo do tempo, discutindo os sentidos dos grandes marcos da história da humanidade (nomadismo, desenvolvimento da agricultura e do pastoreio, criação da indústria etc.).
  • EF05GE02
    Identificar diferenças étnico-raciais e étnico-culturais e desigualdades sociais entre grupos em diferentes territórios.
  • EF05HI04
    Associar a noção de cidadania com os princípios de respeito à diversidade, à pluralidade e aos direitos humanos.
Roteiro do Vídeo

Olá pessoal, como estão?

Continuam se cuidando?

O assunto do programa de hoje é muito interessante!

Vamos conhecer personagens históricas.

Mulheres que sabiam o que queriam e cujo pensamentos e ações marcaram a história do nosso país!

Começaremos por uma chamada Patrícia Rehder Galvão, a Pagu.

Ela foi escritora, jornalista, produtora cultural e militante política brasileira.

Vamos nessa?

Vídeo 1: Ep12 – Mytikah | Pagu

Parceiro:  Oz produtora

Duração: 6’52”

https://vimeo.com/252160257/611ab93a00

Pagu era muito autêntica, não é?

Achei genial ela não se importar com o que as pessoas falavam do jeito dela se vestir ou agir!

Você já ouviu falar da semana de arte de 1922?

Foi uma manifestação artístico-cultural que ocorreu no Theatro Municipal de São Paulo.

O evento reuniu diversas apresentações de dança, música, recital de poesias, pintura e escultura.

Os artistas envolvidos propunham uma nova visão de arte, a partir de uma estética inovadora.

A segunda personalidade que apresentarei para vocês é Carolina de Jesus.

Ela nasceu em Minas Gerais e foi uma das primeiras escritoras negras do nosso país.

Vídeo 2: Carolina de Jesus | Show da História (até 11’57”)

Parceiro: Canal Futura

Duração: 11’57”

 

Você sabe o que é uma pessoa autodidata?

É aquela que aprende sem ajuda de um professor.

E vocês viram que a vida dos escravos pós-abolição não foi fácil, não é?

E com a ditadura, a situação ficou ainda pior.

Ditadura é quando o governo eleito a partir do voto é tirado do poder.

E esse poder fica nas mãos de uma pessoa ou grupo.

Aqui no Brasil, os militares tomaram o poder e, através da força e violência, calavam os que lutavam contra eles!

Muito triste, não é?

Ainda bem que, atualmente, há tentativas de reparação dessas injustiças, como a implementação das cotas raciais.

Elas são reservas de vagas em vestibulares, provas e concursos públicos destinadas a pessoas de origem negra, parda ou indígena.

As cotas visam a acabar com a desigualdade racial e o racismo estrutural resultantes de anos de escravidão no Brasil, que ainda excluem pessoas negras e indígenas da universidade, do mercado de trabalho e dos espaços públicos.

E não custa reforçar que todos somos iguais, independentemente da cor da pele.

Como você ouviu no vídeo: Racismo é crime!

Mas, vamos terminar de ver o vídeo?

Vídeo 2: Carolina de Jesus | Show da História (até 11’57” a 13’33”):

Parceiro: Canal Futura

Duração:  1’36”

Que lindo o poema do Neto para a Carolina de Jesus, não é?

Ela passou por cima da pobreza, do preconceito e da violência para se tornar o que quis ser: escritora!

Sintam- se inspirados, mantenham sempre “os pensamentos na cabeça” e pensem, perguntem, e questionem quando acharem algo injusto.

Se coloquem sempre!

Tive uma ótima ideia: para saber mais sobre a ditadura, que tal você fazer uma pesquisa com os adultos da sua casa, em livros ou mesmo na internet?

Descubra mais sobre esse período no Brasil e sobre como foi retomado o direito ao voto no nosso país!

Foi uma época de muita esperança e muito, muito emocionante!

Procure, também, saber sobre mulheres e homens que lutaram contra os chamados anos de chumbo, combinado?

Nosso encontro já está acabando, mas, se quiserem aprender mais, é só pedir a ajuda de um adulto e apontar a câmera do celular para o QR code que está na tela!

Até a próxima!