Habilidades BNCC

  • EF67LP29
    Identificar, em texto dramático, personagem, ato, cena, fala e indicações cênicas e a organização do texto: enredo, conflitos, ideias principais, pontos de vista, universos de referência.
  • EF69LP50
    Elaborar texto teatral, a partir da adaptação de romances, contos, mitos, narrativas de enigma e de aventura, novelas, biografias romanceadas, crônicas, dentre outros, indicando as rubricas para caracterização do cenário, do espaço, do tempo; explicitando a caracterização física e psicológica dos personagens e dos seus modos de ação; reconfigurando a inserção do discurso direto e dos tipos de narrador; explicitando as marcas de variação linguística (dialetos, registros e jargões) e retextualizando o tratamento da temática.
  • EF69LP53
    Ler em voz alta textos literários diversos – como contos de amor, de humor, de suspense, de terror; crônicas líricas, humorísticas, críticas; bem como leituras orais capituladas (compartilhadas ou não com o professor) de livros de maior extensão, como romances, narrativas de enigma, narrativas de aventura, literatura infantojuvenil, – contar/recontar histórias tanto da tradição oral (causos, contos de esperteza, contos de animais, contos de amor, contos de encantamento, piadas, dentre outros) quanto da tradição literária escrita, expressando a compreensão e interpretação do texto por meio de uma leitura ou fala expressiva e fluente, que respeite o ritmo, as pausas, as hesitações, a entonação indicados tanto pela pontuação quanto por outros recursos gráfico-editoriais, como negritos, itálicos, caixa-alta, ilustrações etc., gravando essa leitura ou esse conto/reconto, seja para análise posterior, seja para produção de audiobooks de textos literários diversos ou de podcasts de leituras dramáticas com ou sem efeitos especiais e ler e/ou declamar poemas diversos, tanto de forma livre quanto de forma fixa (como quadras, sonetos, liras, haicais etc.), empregando os recursos linguísticos, paralinguísticos e cinésicos necessários aos efeitos de sentido pretendidos, como o ritmo e a entonação, o emprego de pausas e prolongamentos, o tom e o timbre vocais, bem como eventuais recursos de gestualidade e pantomima que convenham ao gênero poético e à situação de compartilhamento em questão.
Roteiro do Vídeo

Hoje, vamos falar de dois tipos de leituras: a leitura em voz alta e a leitura dramática.

Você já leu textos em voz alta?

E leitura dramática, já fez alguma em sua vida?

Você sabe dizer as características de cada uma dessas leituras?

Você sabe dizer por que são diferentes?

Antes de pensar em uma resposta, vamos ver se você consegue perceber essas diferenças nas duas leituras que vou fazer agora de um trechinho da peça “O Noviço”, de Martins Pena.

Entra o texto na tela. Apresentador em faz duas leituras em ON, uma apenas em voz alta e uma tentando interpretar o personagem Ambrósio.

O noviço

Martins Pena

PRIMEIRO ATO

CENA I

Sala ricamente adornada: mesa, consolos, mangas de vidro, jarras com flores, cortinas, etc., etc. No fundo, porta de saída, uma janela, etc., etc.

AMBRÓSIO (só de calça preta e chambre)

No mundo a fortuna é para quem sabe adquiri-la. Pintam-na cega… Que simplicidade! Cego é aquele que não tem inteligência para vê-la e a alcançar. Todo homem pode ser rico, se atinar com o verdadeiro caminho da fortuna. Vontade forte, perseverança e pertinácia são poderosos auxiliares. Qual o homem que, resolvido a empregar todos os meios, não consegue enriquecer-se? Em mim se vê o exemplo. Há oito anos, eu era pobre e miserável, e hoje sou rico, e mais ainda serei. E como não importa; no bom resultado está o mérito… Mas um dia pode tudo mudar. Oh, que temo eu? Se em algum tempo tiver que responder pelos meus atos, o ouro justificar-me-á e serei limpo de culpa. As leis criminais fizeram-se para os pobres…

[O Noviço, de Martins Pena. A acervo de peças teatrais da biblioteca da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).Teatro na Escola. Domínio Público. https://www.teatronaescola.com/index.php/banco-de-pecas/item/judas-em-sabado-de-aleluia-martins-pena?category_id=8

Percebeu a diferença entre as duas leituras?

Da primeira vez, fiz apenas uma leitura em voz alta do texto, sem dar nenhuma entonação especial às falas das personagens.

Da segunda vez, no entanto, a minha leitura foi dramática.

Como se eu fosse o próprio personagem Ambrósio falando.

Eu cuidei da entonação, da fluidez da fala, eu interpretei como se fosse o personagem, transpondo para a fala o modo como a personagem expressa suas emoções.

Você reparou nas minhas expressões faciais e nos meus gestos enquanto lia o texto?

Vamos explorar um pouco mais essas ideias?

Então, assista ao primeiro vídeo da aula de hoje para entender a estrutura de um texto dramático, ou teatral.

 

Vídeo 1: Texto dramático (ou teatral)

Parceiro realizador: Khan Academy Brasil

Duração: 9’31”

 

Observação: Todo o conteúdo da Khan Academy está disponível gratuitamente em www.khanacademy.org.

Com o que viu até aqui, você já sabe que os textos dramáticos são escritos com a intenção de serem encenados por atores.

Por isso, diferente dos textos narrativos, não há um narrador que conta a história.

No lugar, a narração é feita pelos próprios personagens da peça.

Ou seja, a voz que conta a história é a voz de cada ator, que, por meio de diálogos, constrói uma sequência narrativa que vai mostrando a lógica da história.

Além disso, é preciso ter em mente que, na leitura dramática dos textos teatrais, cada fala, gesto e expressão dos personagens precisam ser bem estudados.

Não basta dizer que “Ambrósio é orgulhoso, arrogante”.

É preciso imprimir nas falas de Ambrósio esse orgulho e essa arrogância.

Mas, e a leitura em voz alta de textos narrativos que não são textos teatrais?

Afinal, como ela pode ser feita?

E o que os textos narrativos, as histórias, têm de semelhante com os textos dramáticos?

Vamos descobrir tudo isso e ver ainda uma leitura dramatizada!

Vídeo 2: Tempo de Estudar – Língua Portuguesa – 5º ano – A narrativa e seus elementos (até 6’21”)

Parceiro realizador: Multirio

Duração: 6’21’”

http://www.multirio.rj.gov.br/index.php/estude/60-cursos/15195-a-narrativa-e-seus-elementos

 

Vídeo 3: Leitura de contos de terror

Parceiro realizador: YoutubeEDU

Duração: 5’

E aí, conseguiu perceber as diferenças?

Uma bem evidente é que o conto lido pela professora tem um narrador!

A leitura em voz alta que ela faz nos mostra que o narrador, em 3ª pessoa, é quem conta a história.

Nesse caso, parece bem claro que o texto não foi escrito para ser encenado, mas para ser lido, em silêncio ou em voz alta!

Além disso, ao fazer essa leitura, ela não lê como se fosse a própria personagem.

Ou seja, ela não lê encenando, dramatizando, expressando no rosto e nos gestos o medo da Maria por estar dentro do cemitério, por exemplo!

E claro que a carta lida no 3º vídeo não era um texto dramático!

Mas, o modo como a leitora leu a carta, mostrou uma certa dramatização.

O tom de sua voz fez toda diferença nessa leitura mais interpretativa, assim como suas expressões faciais.

E isso tem tudo a ver com as histórias de terror!!

Para finalizar toda essa conversa, vamos assistir um vídeo que vai te ajudar e muito a fazer a atividade que propomos hoje!

Atividade sugerida para aprender sobre o tema

Como você viu, a leitura dramática é a apresentação em voz alta de uma peça teatral para um determinado público.

Com isso em mente, a proposta é que você escolha um texto narrativo, que pode ser um trecho de um conto, por exemplo, adaptando-o para ser encenado.

Uma dica: escolha uma história com bastante diálogo e vários personagens.

Assim, você e seus amigos podem participar dessa leitura dramática, interpretando cada um desses personagens.

Se você ainda tiver dúvidas de como fazer isso, há vários textos dramáticos disponíveis na internet que você pode usar como modelo.

Em seguida, é preciso estudar bem esse texto junto com os amigos que vão fazer a leitura com você.

Ensaiem a leitura das suas falas.

E pensem em qual tom de voz combina mais com cada tipo de fala.

Quando sentirem que dominaram o texto, é hora do show!

Vocês podem fazer essa leitura dramática para as pessoas da sua vizinhança ou em sua escola.

Que tal?

Como saber se a atividade está correta?

A atividade proposta apresenta duas etapas:

A primeira é escolher um texto narrativo e adaptá-lo para se transformar em um texto dramático.

Nesse caso, uma coisa bem importante é substituir as passagens narrativas, em que o narrador conta o que está acontecendo, por rubricas, que indicam o que as personagens fazem; onde estão e o que falam.

Além disso, é preciso também dividir o texto em cenas e atos e caprichar nos diálogos.

Sobre a segunda parte da atividade, uma boa leitura dramática exige que o leitor saiba interpretar a escrita trabalhada.

Sendo assim, ao escolher um texto narrativo para ser adaptado para o texto dramático, certifique-se de que consegue entendê-lo bem.

Isso envolve conhecer os personagens e entender como eles se expressam, perceber os momentos que exigem diferentes entonações, pausas, sons…

Depois, é só praticar!

Para saber mais, basta apontar a câmera do celular para o QR code que está na tela.

Até a próxima!