Voltar

Habilidades BNCC

  • EF08GE01
    Descrever as rotas de dispersão da população humana pelo planeta e os principais fluxos migratórios em diferentes períodos da história, discutindo os fatores históricos e condicionantes físico-naturais associados à distribuição da população humana pelos continentes.
  • EF08GE04
    Compreender os fluxos de migração na América Latina (movimentos voluntários e forçados, assim como fatores e áreas de expulsão e atração) e as principais políticas migratórias da região.

Para saber mais

  1. Brasileiro é mais tolerante à entrada de refugiados do que média internacional, mostra pesquisa. In. BBC Brasil, 2019. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-48683509>. Acesso em: 26 de mai 2020.
  2. Refugiados no Brasil divulgam experiências empreendedoras. In. Agência Brasil, 2020. Disponível em: <https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2020-04/refugiados-no-brasil-divulgam-experiencias-empreendedoras>. Acesso em: 26 de mai 2020.
  3. TORRES, Daniel Bertolucci. Os novos refugiados de Angola. In. Jornal Nexo, 2016. Disponível em: <https://www.nexojornal.com.br/ensaio/2016/Os-novos-refugiados-de-Angola>. Acesso em: 26 de mai 2020.
  4. VIDIGAL, Lucas. ‘Saí para salvar minha vida’. In. Globo.com. Disponível em: <http://especiais.g1.globo.com/mundo/2019/refugiados-no-brasil/>. Acesso em: 26 de mai 2020.
  5. ZYLBERKAN, Mariana; SAITO, Denise. Vida de refugiado. In. TAB UOL. Disponível em: <https://tab.uol.com.br/refugiados/>. Acesso em: 26 de mai 2020.

Roteiro do Vídeo

O que será que faz com que alguém abandone o lugar em que nasceu e mude para um país completamente diferente?

Pode ser para fugir de uma guerra; de fenômenos naturais extremos, como uma seca prolongada; perseguição política no país de origem ou pobreza, por exemplo.

Essa é a situação de milhões de pessoas atualmente pelo mundo.

Ao chegar em um novo país, os refugiados enfrentam muitos problemas:

A necessidade de aprender uma nova língua; encontrar um emprego que pode ser completamente diferente do que exercia no seu país de origem; estabelecer novos laços de amizade, sem falar na saudade e preocupação com amigos e familiares.

Ao longo da aula de hoje, vocês conhecerão um pouco mais da história de Sérgio Zola Mário, um angolano que veio para o Brasil fugido da guerra.

Além disso, vamos discutir os desafios dos refugiados para encontrar um emprego ao chegar ao Brasil.

Não esqueça de tomar notas!

Vídeo 1: Zola Star (Angola)

Parceiro realizador:  Canal Futura

Duração: 15’00’’

http://www.futuraplay.org/video/zola-star-angola/398076/

 

Vídeo 2: Emprego para Refugiados | Entrevista – Futuro do trabalho

Parceiro realizador:  Canal Futura

Duração: 13’59’’

Atividade sugerida para aprender sobre o tema

Após conhecer um pouco mais da história dessas pessoas, descreva quais foram os fatores que as levaram a abandonar o seu país de origem.

Depois, explique como foi a adaptação delas no Brasil e quais foram os trabalhos que fizeram para conseguir sobreviver por aqui.

Anote tudo no seu caderno!

Como saber se a atividade está correta?

Sérgio Zola Mário vem de uma região de Angola que faz fronteira com o Congo.

Tentando fugir dos conflitos da região, Sérgio foi estudar em Kinshasa, Capital da República Democrática do Congo.

Só depois de adulto ele veio para o Brasil.

Sérgio é músico, mas nunca conseguiu sobreviver somente tocando.

Já trabalhou como pintor, motorista de ônibus e fez diversos outros trabalhos.

Já Lara Lopes, que vem do Moçambique, chegou ao Brasil em 2013.

Ela abandonou seu país porque sua orientação sexual não era bem aceita em sua região de origem.

O que despertou sua atenção para o Brasil foi uma novela brasileira.

Ao chegar, Lara teve dificuldade para conseguir um emprego na sua área de formação, pois exigiam um diploma validado no Brasil.

Ela foi obrigada a cursar uma nova faculdade para conseguir um emprego na área em que buscava.

Lara começou a trabalhar em uma ONG chamada “Estamos Refugiados”, que ajuda refugiados aqui no Brasil a conseguir um emprego de acordo com a sua formação.

Para saber mais, é só apontar a câmera do seu celular para o QR code que está na tela.

Até a próxima!